Ponto de vista


Notícia boa não vende


DIA DO HÉTERO, PROJETOS DE LEIS E ECONOMIA DE GASTOS Por Carlos ApolinarioDurante os meus mandatos como vereador, tenho apresentado vários projetos que considero importantes para nossa cidade, e também tenho procurado gastar o menor valor possível para exercer meu trabalho no Legislativo.


Em que pese o respeito que tenho pela imprensa, quando falo com os jornalistas sobre o meu trabalho com relação aos projetos e sobre a economia do meu gabinete, já ouvi de alguns, em tom de brincadeira, a seguinte frase: "Notícia boa não vende".
Vários projetos de minha autoria foram aprovados pela Câmara, porém o Executivo vetou, entre eles:

1) Projeto que dá passagem gratuita de ônibus para todos estudantes.
2) Projeto que obriga os shopping centers a terem ambulatório médico para primeiros socorros.
3) Projeto que obriga os hospitais o colocar pulseiras eletrônicas nos recém-nascidos para evitar sequestros.
4) Projeto que cria no município de SP programa de reciclagem de entulhos.
5) Projeto que reserva 20% das vagas em concurso público para pessoas com mais de 40 anos.
Se os vereadores quiserem, derrubam estes vetos, e os projetos viram leis.
Tenho outros projetos tramitando na Câmara, entre eles:
1) Projeto que desconta o dia do vereador que faltar às sessões, como acontece com qualquer trabalhador.
2) Projeto que obriga a prefeitura a só contratar pessoas por concurso publico.
3) Projeto que obriga os estacionamentos a fazerem seguro contra enchentes.
4) Projeto que obriga a prefeitura a usar papel reciclado em todas as repartições.
5) Projeto que obriga a prefeitura a publicar no Diário Oficial todas as contratações indiretas, para dar maior transparência à administração pública.
6) Projeto que obriga o prefeito a mandar para a Câmara projeto quando quiser aumentar a passagem do ônibus, para evitar reajustes abusivos.

Além destes, tenho outros projetos importantes, porém a imprensa só divulga o projeto que cria o Dia do Hétero, que só apresentei para protestar contra o excesso de leis a favor dos gays.
Tenho falado várias vezes com os jornalistas das economias do meu gabinete, como, por exemplo:

1) Não uso carro oficial, motorista nem gasolina.
2)Posso gastar R$ 15.000.00 por mês de verba de gabinete, mas eu gasto menos de dez por cento disso. Em 2010, só desta verba economizei R$ 179.000.00.
3) Eu posso ter em meu gabinete 23 funcionários, mas só tenho nove.

A economia por ano em meu gabinete chega próximo de R$ 1 milhão de reais por ano, quase R$ 4 milhões por mandato. Não quero dizer que, com estas economias, sou melhor do que meus colegas. Já passei estas informações várias vezes aos jornalistas. Infelizmente, a imprensa só divulga os nomes dos que mais gastam. Como eu gasto pouco, não é noticiado. Como dizem, noticia boa não vende. Independentemente disso, continuarei trabalhando para aprovar projetos de minha autoria, e também os dos colegas vereadores e do prefeito que sejam bons para nossa cidade.
Também continuarei defendendo a liberdade de imprensa, pois não há democracia sem esta liberdade.

Banner Rádio